1 em cada 5 pessoas com perda auditiva se sente solitária e isso é refletido na saúde.

30 novembro, 2020

A solidão costuma ser vista como a maioria das outras emoções humanas – passageira e em geral, inofensiva. Embora períodos curtos de solidão possam não ter efeitos negativos, a solidão prolongada é algo tóxico que aumenta o risco de mortes em 26%. Na verdade, a solidão é algo tão prejudicial à saúde quanto fumar 15 cigarros por dia ela aumenta o risco de doenças cardíacas, demência, depressão, AVCs, diabetes e câncer.

Você pode estar se perguntando, como a solidão pode levar a tudo isso? Deixe-me explicar isso para você.

Como a solidão afeta nossa saúde

Como comida e água, os humanos precisam de conexões sociais para serem felizes. Essas conexões criam um sentimento de segurança e pertencimento. Quando somos privados desses relacionamentos cruciais por uma série de motivos como a perda auditiva, por exemplo, nosso sistema nervoso simpático identifica isso como uma ameaça à segurança e começa a ser acionado. É uma reação totalmente reflexiva.

Em resposta, o corpo começa a produzir hormônios como o cortisol e a epinefrina (também conhecida como adrenalina), preparando-se para lutar ou fugir. Com o tempo, a exposição contínua ao excesso de cortisol pode causar danos a saúde, como aumento da frequência cardíaca e da pressão arterial, maior risco de doenças cardíacas e maior risco de AVC, os níveis mais altos de glicose aumentam o risco de diabetes; e um sistema imunológico que não funciona adequadamente aumenta o risco de câncer.

Você entendeu. A solidão prolongada não é algo bom para sua saúde.
Infelizmente, muitos fatores de risco que promovem a solidão são difíceis ou impossíveis de serem alterados, como idade, gênero, local de residência e saúde geral.

A perda auditiva é uma das causas da solidão que pode ser tratada.

A boa notícia é que uma das causas tratáveis da solidão é a perda auditiva. E faz sentido. Quando ouvir é um desafio, se comunicar e manter relacionamentos com amigos, familiares e cuidadores também é. Para evitar a ansiedade social e o desconforto de não conseguir ouvir, muitas pessoas deixam de participar de conversas e acabam se isolando. Na verdade, uma em cada cinco pessoas com perda auditiva relata que se sente solitária.

Mas não precisa ser assim. Graças às tecnologias mais modernas do mercado os aparelhos auditivos Starkey oferecem som superior, monitoramento corporal e cerebral e um assistente pessoal integrado. Eles são projetados para serem discretos, ficando dentro de sua orelha ou atrás dela e reconectando você ao mundo.

A ciência está cada vez mais decidida: é hora de cuidar da sua saúde auditiva para aprimorar o bem-estar geral, ela é importante e seus efeitos são sentidos de forma prolongada.